quinta-feira, 29 de abril de 2010

Descrição morfológica de Plasmopara viticola

Autor: Marco Antonio de Resende Moraes.


Família Peronosporaceae: contém um total de 7 gêneros abrangendo cerca de 600 espécies. Esta família inclui espécies que produzem bolor e mofo azul. A família contém patógenos de plantas necessário. Parasitismo é realizado através da utilização de haustórios, que são estruturas especializadas que são capazes de penetrar nos tecidos do hospedeiro. Em geral, as plantas parasitas são dicotiledôneas. O Peronosporaceae ter alguma importância econômica, uma vez que incluem espécies que têm sexo micorrízicos plantas parasitas utilizados em culturas agrícolas. Alguns exemplos destes tipos de protistas são: Plasmopara viticola , Peronospora tabacina e Bremia lactucae que produzem doenças em uvas , rapé e alface, respectivamente (Alexopolous CJ, Charles W. Mims, M. Mims, M. Blackwell et. Blackwell).
Esta doença foi observada pela primeira vez na América em 1834. de 1878 o patogênico foi levada para a Europa em Americana ações, para em setembro do mesmo ano, foi registrado pela primeira vez na França. (B. e C. Berl). And De Toni E De Toni.
A doença é causada pelo fungo Elsinoe ampelina (De Bary) Shear, Ascomiceto que, na sua fase imperfeita, corresponde as espécies Sphaceloma ampelinum De Bary. Elsione ampelina forma asca em lóculos imersos em estroma providos de uma asca por lóculo. Os ascósporos são hialinos, tri-septados, de dimensão aproximada de 15,5 x 1,25 micra. Os lóculos são desprovidos de ostíolo e, portanto, os ascósporos são liberados pela desintegração do estroma. Os conídios são produzidos na fase de crescimento vegetativo da videira. O fungo sobrevive de um ano para outro ano nas lesões dos sarmentos e gavinhas, bem como nos restos de cultura nos solos, onde, no inicio da estação produz conídios e mais raramente, ascósporos. (Kimat, L.; Galli, F.)
É uma parasita obrigatória, da classe Oomycetes, família Peronosporaceae. Nos tecidos do hospedeiro, P. viticola cresce intercelularmente através da hifa cenocítica emitindo haustórios globosos ao interior das células parasitadas. A reprodução assexual ocorre através dos estômatos, com a emissão de esporangióforos, ramificados monopodialmente, que produzem esporângio, ovalados e hialinos. Cada esporângio da origem a 1 a 10 zoósporos biflagelados. A fase sexuada do agente causal ocorre dentro dos tecidos do hospedeiro. A fase sexuada é a principal forma de sobrevivência do fungo nos países temperados, embora no Brasil, a sobrevivência possa se dar por micélio no interior dos tecidos vivos. O fungo pode completar seu ciclo em apenas 4 dias (Amorim, L.; Kuniyuki, H.).
O fungo causador da doença afeta, além de muitas espécies de Vitis, plantas como Ampelopsis heterophylla, A. brevipedunculata, Partenocissus quinquefolia e P. tricuspidata. Doença originaria dos Estados Unidos (Kimat, H.; Galli, F.).
O agente causal do míldio é originário da America do Norte e provocou enormes prejuízos na espécie Vitis vinifera (européia) quando introduzindo no continente europeu em 1875 (Amorim, L.; Kuniyuki, H.)
Classe Oomycetes: esse grupo peculiar de fungos, salvo raras exceções, não apresenta quitina na sua parede celular e, sim, celulose. São caracterizados através da sua reprodução assexual, pela formação de zoósporos biflagelados, tendo um flagelo do tipo chicote e outro do tipo tinsel. O talo dos oomycetes é micelial, bem desenvolvido, diplóide, com hifas asseptadas, a reprodução sexual é caracterizada pela formação de oósporos, esporo de repouso diplóide, de parede espessa, originário de fecundação do oogônio (gametângio feminino) pelo anterídio (gametângio masculino) (T. L., Krugner; Lilian, M. A., Bacchi)



Referencias bibliográficas:

Amorim, L.; Kuniyuki, H. Vitis spp. Kimat, H.; Amorim, L.; Rezende, J. A. M.; Bergamin Filho, A.; Camargo, L. E. A.; Fungos In: Manual de Fitopatologia volume II: doença de plantas cultivadas, quarta edição. Editora agronômica Ceres Ltda, 2005. São Paulo-SP.

Kruger, T. L. & Bachi, L. M. A. Fungos In: Bergamin Filho, A.; Kimati, H. ; Amorim,L. , Manual de Fitopatologia. Volume I: Princípios e conceitos. Terceira edição. Editora agronômica Ceres Ltda,1995.São Paulo-SP.

Kimat, H.; Galli, F., Vitis spp. Manual de Fitopatologia volumeII:Doenças de plantas cultivadas Editora agronômica Ceres Ltda.

Disponível em: http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=http://chestofbooks.com/gardening-horticulture/fruit/Manual-of-Fruit-Diseases/Downy-Mildew-Caused-By-Plasmopara-Viticola-B-And-C-Berl.html&ei=heTYS6f9HoK78gbDxPnpBQ&sa=X&oi=translate&ct=result&resnum=16&ved=0CEcQ7gEwDw&prev=/search%3Fq%3Dplasmopara%2Bviticola%26hl%3Dpt-BR , Acessado em:28 de abril de 2010.

Disponível em: http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=es&u=http://es.wikipedia.org/wiki/Peronosporaceae&ei=fenYS-yUH4L78AbsnIyvBQ&sa=X&oi=translate&ct=result&resnum=7&ved=0CCMQ7gEwBg&prev=/search%3Fq%3Dfamilia%2BPeronosporaceae%26hl%3Dpt-BR, Acessado em:28 de abril de 2010.

Um comentário:

  1. por favor, se for possivel poderia me informar onde posso comprar o manual de fitopatologia, vol II, 4 edicao, pois nao sou de sao paulo, mas estou aqui e nao estou encontrando, agradeco antecipadamente
    lia_o_trindade@hotmail.com

    ResponderExcluir

Seguidores

Postagens populares da Ultima Semana