quarta-feira, 7 de abril de 2010

O mal-de- Sigatoka amarela


Introdução

Descrita pela primeira vez em Java, em 1902, os primeiros prejuízos de importância foram relatados nas Ilhas Fiji, vale de Sigatoka, em 1913. No Brasil foi constatada inicialmente no estado do Amazonas, em 1944, disseminando-se posteriormente, a todos os estados brasileiros.

Sintomas

As infecções com o agente causal do mal-de-Sigatoka ocorrem nas folhas jovens da planta. A infecção inicial caracteriza-se por uma leve descoloração em forma de ponto entre nervuras secundárias da segunda até a quarta folha. Este ponto descolorido amplia-se, formando uma estria de coloração amarela, com o tempo formam-se manchas necróticas, elípticas, alongadas, dispostas paralelamente às nervuras secundárias da folha. E por fim, uma lesão com centro deprimido, de coloração cinza e bordo preto, circundado por um halo amarelo.

Etiologia

O mal-de-Sigatoka é causado por Mycosphaerella musicola (teliomorfa) ou Pseudosecospora musae (anamorfa). Os esporos sexuados (ascósporos) são produzidos em pseudotécios, que se apresentam em forma de frasco com uma parede espessa marrom-escura e ostíolo espesso bem definido que emerge através dos estômatos.
O esporo depositado sobre a folha germinará em presença de um filme de água. Dependendo da temperatura, isso ocorrerá em 2 a 6 horas, posteriormente a hifa crescerá sobre a folha até encontrar um estômato, onde um apressório será formado, seguindo-se de penetração.

Controle

O mal-de-Sigatoka é uma doença de controle difícil. A integração de ações é, portanto, o melhor caminho para que o objetivo seja atingido. São adotados os controles cultural, genético e químico. Sendo o controle químico o principal método. A adoção do controle químico deve ser precedida de alguns cuidados e procedimentos importantes para a segurança da aplicação e eficiência do controle: horário da aplicação, condição climáticas, direcionamento do produto, monitoramento do controle e produtos utilizados no controle (fungicidas de contato, fungicidas sistêmicos).

Referência Bibliográfica

BIANCHINI, A.; MARINGONI, A. C. e CARNEIRO, S.M.T.P.G.; Doenças do feijoeiro (Phaseolus vulgaris). KIMATI, H.; AMORIM, L.; REZENDE, J.A.M.; BERGAMIN FILHO, A.; CAMARGO, L.E.A.; Manual de fitopatologia: Doenças das plantas cultivadas. 4ª Ed. Vol. 2, pag. 344-345 – São Paulo: Agronômica Ceres, 2005.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Postagens populares da Ultima Semana