terça-feira, 9 de novembro de 2010

ASPECTOS GERAIS E MORFOLÓGICOS DE Rhizopus Stolonifer

Robson Martins de Oliveira

Acadêmico do curso de Agronomia

1- INTRODUÇÃO

São do reino Fungi, filo zigomycota, classe dos zygomycetes, ordem Mucorales, família Mucoraceae, gênero rhizopus, espécie Stolonifer. (Index Fungorum).

A classe Zigomicetes tem importância limitada. Apresenta dentro da ordem Mucorales, apenas dois gêneros fitopatogênicos de importância: Choanephora sp. e Rhizopus sp. que são parasitas fracos. O fungo é um patógeno não especializado no seu hospedeiro, que infesta um grande número de plantas; invade os tecidos através de ferimentos, apodrecendo rapidamente frutos inteiros deixando intacta apenas a cutícula. A hifa fúngica secreta enzimas pectolíticas que em condições de elevada umidade e temperatura entorno de 25 °C durante armazenamento favorecem o desenvolvimento de lesões . Os zigomicetes têm forma teleomórfica e anamórfica tendo reprodução sexuada e assexuada (Bonfim,2006).

Seu mecanismo de ação resume-se na produção de enzimas pécticas que dissolvem o arranjo celular, e estas enzimas são muito utilizadas para a clarificação de sucos de frutas. (Paz Lima, 2010).

O fungo Rhizopus sp. Foi encontrado em sementes e materiais empregados no artesanato; foi relatado que este pode causar alergias humanas e coloca em risco a biodiversidade de insumos e sementes do Brasil (Vidoto, 2004).

Em humanos podemos observar uma doença identificada como sendo zigomicose tem como agente causal o fungo Rhizopus sp. (Vidoto, 2004).

Em plantas o fungo Rhizopus stolonifer pode ocasionar as seguintes doenças: podridões pós-colheita em frutos de tomateiro , podridão mole ou podridão floral do maracujazeiro qual ataca as flores recém abertas e frutos novos (Bonfim et al., 2007), pode ainda expressar sintomas em ameixa e nectarina , e ainda, pode interferir na qualidade sanitária e fisiológica de sementes de abóbora var. Menina Brasileira (Paz Lima, 2009). Rodrigues e Bringel (2006) detectaram a incidência de Rhizopus sp. Em análise sanitária de sementes de mamona em regime de luz contínua.

A podridão do rhizopus também é uma doença onde o rhizopus stolonifer é o principal agente causal, embora as especies R. Arrhizus, R. Circinans e R. Oryzae também podem ocorrer. Esta doença pode ocorrer em raízes de cenoura e ainda em pêssego,nectarina e ameixa, podendo causar danos econômicos de ate 50 %. Os sintomas desta doença se caracterizam por lesões encharcadas, de coloração marrom, que ficam revestidas de micélio branco do fungo com frutificações(esporângio) negras na superfície dos frutos. As condições ótimas para ocorrência desta doença são temperaturas na faixa de 30 à 36 C° e presença de ferimentos. A doença raramente ocorre em temperatura inferior a 20 C°(Massola et. al).

Seu mecanismo de ação resume-se na produção de enzimas pécticas que dissolvem o arranjo celular. (Paz Lima, 2010).

O objetivo deste trabalho é apresentar aspectos gerais e morfológicos do fungo Rhizopus Stolonifer.

2-MATERIAS E MÉTODOS

O Trabalho foi realizado no laboratório de Microbiologia do Instituto Federal Goiano Campus Urutaí.

Os Propágulos do fungo foram retirados em um recipiente de margarina, coletados em uma casa, localizado no município de Urutaí-GO. A margarina foi levada ao laboratório de microbiologia, logo depois foi retirado com auxilio de uma pinça, o fungo da margarina sendo retiradas três amostras para serem visualizadas no microscópio óptico.

O preparo da lâmina foi feito da seguinte maneira, colocou se três gotas de um fixador de azul de metileno sobre a lâmina, retiraram-se os propágulos do fungo da margarina, com o auxilio de uma pinça, colocou-se sobre a lâmina, logo após colocou-se uma lamínula sobre a lâmina.

Levou para o microscópio óptico, focalizando na objetiva de 4x, em seguida foi para objetiva de 40x, onde foi identificado o fungo Rhizopus Stolonifer pelo professor doutor da disciplina, onde foram observadas as estruturas do fungo.

Logo após foram comparadas com estruturas já em literatura para a identificação do fungo, o rhizopus stolonifer.

Para fazer a lamina permanente, foi utilizado um esmalte em volta da lamínula, e depois de seco, colocou uma etiqueta contendo dados do coletor e do fungo.

Foram realizadas microfotografias das estruturas fúngicas no microscópio óptico, utilizando uma câmera digital Canom® modelo Power shot A580.

As estruturas do fungo foram medidas com uma objetiva métrica, onde mediu-se os aplanósporos,esporângio,esporangióforos,os rizoides e estolões, sendo feita 50 repetições para determinar a morfometria do fungo, comparando-as com a literatura.

3-RESULTADOS E DISCUSSÕES


FIGURA 1. Aspectos Morfológicos do Fungo Rhizopus Stolonifer. A. esporângio e esporangióforos (barr=22μm). B. Rizoides e Estolões (barr=22μm). C. Aplanósporo dentro de um esporângio (barr=2μm).D. Esporângio, esporangióforos e aplanósporo. E. Aplanósporos (barr=2μm).

Descrição Micológica

São observados na (Fig 1A.) os esporângios de cor preta ou marrom escuro de forma globular, com algumas imperfeições, aparentemente são subglobosos na maturidade. Também são observados na mesma figura os esporangióforos que são eretos simples ramificados e varia da cor amarela ao laranja escura. Na (Fig 1B.) são vistos o Rizoide, estrutura ao qual são conectados nos esporangióforos, onde ficam imersos no hospedeiro, e a partir do rizoide pode observar hifas aéreas, que ao tocar o substrato formam novos rizoides e esporangióforos. Na (Fig 1.C.) são observados o aplanósporo dentro do esporângio sendo esporos fúngicos subglobosos de com marrom, sendo mais detalhado na (Fig 1E.). Na (Fig 1D.) é observado a estrutura completa de um rhizopus stolonifer, composta por rizoides, esporangióforos, esporângios e aplanósporos.

Os rizoides são responsáveis pela fixação do fungo no hospedeiro, sendo a base do fungo. Os Estolões são responsáveis pela ligação de um fungo a outro. Os esporangióforos são micélios cenocíticos, sem septo, mas bem desenvolvidos, e liga os rizoides ao esporângio. O esporângio e onde ficam localizados todos os esporos sexuais dos zigomicetes, os aplanósporos. Os aplanósporos são os esporos sexuais dos zigomicetes, e ainda são imóveis, sendo disseminados pelo vento.

Estrutura

Isolado IFGoiano μm

Literatura μm

Esporangio

22

10

Esporangioforos

22

10

Aplanosporos

2

Não relatado


4-REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BOMFIM, P.M., SÃO JOSÉ, A.R., REBOUÇAS T.N.H., NOVAES, Q.S.DE., MATOS, M.A., Antagonismo in vitro de Trichoderma ssp. A Rhizopus stolonifer. Fitopatologia Brasileira 319(suplemento): 321 2006.

ESTUDO EM DOENÇAS DE PLANTAS, Disponível em: <http://fitopatologia1.blogspot.com/2010/04/aspectos-gerais-e-morfologicos-do fungo.html> Acessado em outubro de 2010.

FUNGOS,1998.Disponível em : <http://campus.fortunecity.com/yale/757/fungos.htm> Acessado em outubro de 2010.

INDEX FUNGORUM, Disponível em: <http://www.indexfungorum.org/names/Names.asp> Acessado em Novembro de 2010.

MASSOLA, J. R. , Manual de fitopatologia vol.2 , São Paulo , 2010.

VIDOTTO, V. Manual de micologia Médica, Ribeirão Preto, SP; tecmed, 2004.


UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, Micologia Clinica. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/22541491/Micologia-clinica> Acessado em outubro de 2010.

29 comentários:

  1. Poderia colocar na prancha algumas setas para indicarem os aspectos do fungo ajudando em uma melhor compreensão

    ResponderExcluir
  2. Formatar o texto, reajustando os paragrafos que quando publicado nao sairam alinhados.

    ResponderExcluir
  3. Marcelo Mueller: Formatar o texto, me parece nao estar em arial. Organizar os parágrafos de forma igual, e melhorar as referencias.

    ResponderExcluir
  4. Poderia indicar as estruturas fungicas na prancha ( igual o meu trabalho) e revizar a formatação.

    ResponderExcluir
  5. A formatação está prejudicada, revise.

    ResponderExcluir
  6. Na descrição micológica rhizopus não está em maiusculo, e as refêrencias não estão em ordem alfabética.

    ResponderExcluir
  7. A literatura citada está fora de ordem, e o autor Vidotto está citado de maneira diferente no texto.

    ResponderExcluir
  8. Seu texto não está com a formatação correta. As referências não estão em ordem alfabética. Algumas referências citadas no texto não aparecem na literatura citada. Poderia ter separado a introdução dos materiais e métodos e dos resultados e discussão. "sp" não é em itálico. Não se coloca ponto antes da citação.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. As barras da prancha ficaram muito claras, prejudicando assim a visualização, faltou organizar um pouco a formatação,e organizar as referências, o trabalho ficou muito bom.

    ResponderExcluir
  11. Tálita Borges.
    Os erros estão visíveis nesse trabalho, não consigo compreender nem diferencia qual fonte foi usada, os endereços estão sublinhados, não seguem ordem alfabética... O nome do fungo não esta em itálico. Faltou atenção na hora da postagem.

    ResponderExcluir
  12. Formatar o corpo do texto. Retirar as marcações contidas no referências

    ResponderExcluir
  13. Cássio: Faltou dizer como foram feitas as pranchas.

    ResponderExcluir
  14. A introdução precisa ser formatada.
    As referências estão certas na introduçào.
    O trabalho esta bom.
    AS letras da prancha estão em negrito como pedido no trabalho. Aparecem os links dos sites.
    parabéns...

    ResponderExcluir
  15. Ivo, aproveitar o espaço das fotos, organizar as referências.

    ResponderExcluir
  16. Nao descreveu como foram realizados os materiais e metodos para a pesquisa.

    ResponderExcluir
  17. Bom trabalho!
    so melhorar na formataçao!
    abrass

    ResponderExcluir
  18. Faltou formatar o texto e as referencias

    ResponderExcluir
  19. Muito bom, apenas mais atenção.

    ResponderExcluir
  20. Edvan Müller: os paragrafos estão desordenados, no mais seu trabalho esta muito bom. Abraços.

    ResponderExcluir
  21. Lucas da Silva: na introdução o primeiro paragrafo ta ruim confuso e não começar com "São do reino Fungi" alias quem são tavendo ta confuso basta você organizar suas ideias dar cronologia a estas e formatar assim com certeza seu trabalho vai ficar mais vistoso e melhor para o leitor. Em metodologia que técnica que você utilizou foi pescagem direta ou não? Na prancha parece que você alargou-se as fotos isso dificulta a vizualização.
    Descrição micologica ficou boa e na literatura melhorar isso viuuu.
    Abraços !!!

    ResponderExcluir
  22. Alicionon Oliveira: Concertar a formataçao do texto, coloca-lo em arial, colocar as devidas estruturas na prancha, mas contudo, um bom trabalho.

    ResponderExcluir
  23. Faltou formatar o texto e as referencias, O nome do fungo não esta em itálico, Poderia ter separado a introdução dos materiais e métodos e dos resultados e discussão,mas esta muito bom.

    ResponderExcluir
  24. Alisson : A formataçao de seu trabalho nao ficou legal, revise se possivel !

    ResponderExcluir
  25. poderia por uma formatação justificada, pois esta alinhado pela direita, talvez tambem colocar na prancha algumas setas para indicarem os aspectos do fungo.

    ResponderExcluir

Seguidores

Postagens populares da Ultima Semana