quarta-feira, 28 de abril de 2010

ASPECTOS GERAIS E MORFOLÓGICOS DO FUNGO Oidium sp.


Oídio - Oidium lycopersici

É uma doença relativamente comum nos anos de inverno seco, mas é raro causar sérios danos à cultura em condições de campo. Entretanto, com o incorreto da plasticultura, é possível que tanto Oidiopsis como Oidium tornem-se patógenos importantes.

Sintomas - Aparecem nas folhas mais velhas em forma de numerosas manchas circulares ou elípticas que, frequentemente, coaslescem, provocando queima e desfolha das plantas com pode ser observado na folha ao lado. Essas manchas são pequenas e variam de 2 a 5 mm de diâmetro, as vezes atigindo até 10 mm, com margem marrom escura, centro cinza, com ou sem hal clorótico. No centro lesão, sob condições de umidade, é possível notar pontos negros contituídos por frutificações do fungo, os picnídios. No caule, pecíolo e sépala , as lesões são, geralmente, menores e mais escuras do que aquelas em folhas. Picnídios podem ou nao estar presentes. As folhas mais velhas sao afetadas primeiro. Posteriormente, os esporos sao disseminados por respingos de água às folhas mais novas maneira semelhante à pinta preta. Os frutos raramente sao afetados.

Controle - As medidas de controle recomendadas para requeima ( Phytophthora infestans ) e pinta preta ( Alternaria solani ), acrescidas de fungicidas sistêmico mais específicos como benomyl, tiofanato metílico, carbendazin e tiabendazol são suficientes para o controle desta doenças.


Descrição Micologica - O fungo Oidium Lycopersici caracteriza - se por apresentar conídios elípticos, hialinos, crescendo em cadeia sobre conidiósforo curtos, não ramificados, produzidos em micélio surpeficial. A absorção dos nutrientes do hospedeiro é feita via haustórios , emitidos pelas hifas septadas e bastante ramificadas. Os conidióforos sao curtos com conídios filiforme,multi-septados e liberados em cirros hialinos, aglutinados por substâncias mucilaginosas.



Autor: Saldanha Bortolott

Microbiologia - Agronomia 3º período


Referências Bibliograficas

Tokeshi, H e Carvalho, P. C. T. Doenças do tomateiro - Lycopersicon esculentum Mill. In: Galli, F Carvalho, P.C.T, Tokeshi, H. Balmer, E, Kimati, H, Cardoso, C.O.N, Balgado, C.L., Krugner, T.L, Cardoso, E.J.B.N., Berganmin Filho, A, . Manual de Fitopatologia, Volume 2 - Doenças das plantas cultivadas. Editora Agronômica ceres, Sao Paulo, SP, 1980


Kurozawa, C e pavan, M.A. Doenças do Tomateiro - Lycopersicon esculentum. In: Kimati, H. , Amorin, L. , Rezende, J.A.M , Bergamin Filho , A. , Camargo, L.E.A , Manual de Fitopatologia, Volume 2 - Volume 2 - Doenças das plantas cultivadas. Editora Agronômica ceres, Sao Paulo, SP,2005.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Postagens populares da Ultima Semana