quinta-feira, 15 de abril de 2010

“ASPECTOS GERAIS E MORFOLÓGICOS DO FUNGO Penicillium sp.”

Gesiane R. Guimarães

A família EUROTIACEAE, estão incluídos aqueles ascomicetos cuja a fase assexual corresponde aquelas descritas para os gêneros Aspergillus sp. e Penicillium sp. pertence ao grupo dos Fungos Mitospóricos (hifomicetos), sendo a maioria sapróbios e em alguns casos patógenos de animais e seres humanos. As espécies de Penicillium sp. têm fases telemórficas dos gêneros Talaromyces sp. e Eupenicillium sp. O ascoma é tipicamente cleitotecial, com os ascos esparramados na sua cavidade, sem formar himênio. Os ascos são arredondados e sua parede decompõe quando os ascósporos amadurecem. (Kimatti et al., 1978). Podem ainda ser responsáveis por perda em produtos agrícolas, agentes dos popularmente chamados de mofos e bolores que ocorrem em diferentes substratos, estas contém as formas teleomórficas (sexuais) do gênero e Penicillium sp. (Kimati et al., 1978).
São patógenos fracos em certas ocasiões incidem sobre órgãos de reserva, como sementes e frutos. Em ambos os casos podem produzir micotoxinas nas sementes. Penicillium sp. é o agente causal dos bolores de coloração azul ou verde em frutos cítricos podem causar podridões de frutos muito comuns nas condições de pós-colheita (Kimatti et al., 1978).
Os fungos mitospóricos possuem dois tipos básicos de conidiogênese: o blástico e o tálico. No tipo blástico, o conídio ainda jovem já pode ser reconhecido, ao brotar do conidióforo ou da célula conidiogênica, antes de ser destacado pela formação de uma parede transversal é formada antes da diferenciação do conídio, ou seja, o conídio só é distinguido quando se separa de tudo pela formação da parede transversal. Entre os fungos, o tipo blástico e o mais importante, podendo, por sua vez, apresentar diferentes tipos de conidiogênese. O tipo fialídico é um dos mais comuns, sendo caracterizado pela produção de conídios em sucessão basipetal (conídio mais jovens são produzidos na base a partir da extremidade aberta de uma célula conidiogênica, denominada fiálide. Assim, o tipo de célula conidiogênica encontrado no gênero Penicillium sp. é fialídica. (Bergamin Filho et al.,1995).
Eventualmente, este produzirá ascogônios e anterídios que, após a plasmogamia e cariogamia, darão origem a ascas nas quais serão produzidos os ascocarpos. O corpo de frutificação é reproduzido a um emaranhado frouxo de hifas que fica ao redor das ascas. (Bergamin Filho et al.1995).
Relatado como não tendo toxicidade a mamíferos é também utilizado na medicina para controle de micoses humanas. Seu uso em Agricultura é muito restrito, devido ao elevado preço e por que a eficiência de controle é menor do que a eficiência dos fungicidas usuais, mais baratos. Entretanto tem sido usado comercialmente no Japão para controle de Sclerotinea mali e Mycospharella melonis (Bergamin Filho et al.,1995).
O ciclo vital de Talaromyces vermiculatum, cuja fase assexual corresponde á espécie de fungos imperfeitos Penicillium vermiculatum. O fungo multiplica-se vegetativamente por conídios produzidos em cadeia em conidióforos que se ramificam na extremidade, lembrando uma vassoura. estes conídios, após disseminados ,produzirão novo micélio (Kimati et al., 1978).
Os gêneros Erotium sp. Sartoya sp. Emerilha sp. pertence a família do Eurotiaceae apresentam a fase assexual (Kimati et al., 1978).
Penicillium spp. são espécies saprófitos,amplamente difundidas in natura, freqüentemente contaminantes de alimentos e possíveis produtores de micotoxinas. Excepcionalmente, podem ser responsáveis por infecções humanas: Ceratites, Otomicoses, Endocardites protéticas após intervenções com o coração aberto. As formas sistêmicas (raras) são atribuíveis a P. marmeffei. Para sua identificação, os penicilios são, preferivelmente, cultivados em ágar-Czapek. Na classificação das espécies são importantes a cor, a forma e as margens das colônias a formação de exsudatos, a presença de odores, de esclerócios, de ascocarpos,etc.

Penicillium marneffei, típico penicílio, sob o ponto de vista morfológico-cultural, este miceto, é na realidade, considerado, em Micologia médica,um fungo dimórfico: bolor no ambiente natural, levedura nos tecidos. Ao contrario da maior parte das leveduras, nas quais a multiplicação acontece por gemulação, Penicillium marnerffei multiplica-se por esquizogonia. Os ratos so bambu, presentes no Sudeste /asiático, podem freqüentemente ser infectados pelo fungo, pelo que podem servir como veículo de transmissão da doença para o homem.
O objetivo deste trabalho é apresentar aspectos gerais e morfológicos do fungo Penicillium sp.




DESCRIÇÃO MICOLÓGICA

O fungo apresentou conidióforo que surge de um micélio simples ou de um sinênio. O ápice do conidióforo é ramificado e no final do conidióforo apresenta células conidiogênicas agrupadas e ramificadas na forma de fiálides. Os conídios são fialósporos, hialinos ou coloridos quando agrupados, são unicelulares muitas vezes, agrupados, globosos ou ovóides, sendo produzidos em uma cadeia basipetal. Conidióforos longos ramificados-se na parte terminal. Conídios esféricos e catenulados produzidos em fiálides dispostas em numero variável na ramificação terminal do conidióforo (conjunto lembra uma vassoura) Massa de conídios com coloração esverdeada (Kimati et al., 1978).

REFERERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARNETT,HL E HUNTER BB Illustrated genera of imperfect fungi APS press. The American phutopathological Society ST. Paul, Minesot, 1998.
BERGAMIN FILHO, A., KIMATI H; AMORIM L. Manual de Fitopatologia Princípios e conceitos 3 ed.Ceres:Editora agronômica ,1995.
Kimati, H. Fungos. In: GALLI, F. TOKESHI, H. CARVALHO, PCT.,BALMER, TL.,CARDOSO, CON, Salgado, CL., Kugner, TL., Cardoso, EJVB., BERGAMIM Filho, A. Manual de Fitopatologia. Ed. Agronômica Ceres, 2 ed.São Paulo, SP, 1978.

Um comentário:

  1. Muito bem otimo obrigado pela postagem agora psso fazer meu trabalho....

    ResponderExcluir

Seguidores

Postagens populares da Ultima Semana