quarta-feira, 27 de outubro de 2010

DESCRIÇÃO MICOLÓGICA: “ASPECTOS GERAIS E MORFOLÓGICOS DO FUNGO (Stemphylium solani).” Poliana Sousa, Milton Luiz da Paz Lima






INTRODUÇÃO

O genero Stemphylium sp. é um fungo mitosforico, cresce em baixas temperaturas, pertence a família Pleosporaceae, Ordem Pleosporales, Classe Dothideomycetes, Divisão Ascomycota e Reino Fungi (Index Fungurum, 2010). Apresenta a seguinte morfologia; o fungo produz micélio marrom, ramificado e septado. Conidióforos escuros, curtos, e septados. Conídios marrom-escuros, oblongos a ovalados, medindo 40 a 65 por 13 a 22 µm (ALVES,2010).
Nomes comuns da doença: Mancha-de-estenfílio
Agente causal: Stemphylium solani
Importância da doença A doença foi descrita no Brasil em 1945. É de ocorrência generalizada em áreas de cultivo do tomateiro. Entre as doenças de origem fúngica, ela é uma das mais importantes, pois ataca o tomateiro em qualquer idade, podendo provocar, sob condições ideais de temperatura e umidade, a destruição das folhas quando as mudas são utilizadas para plantio. Embora constitua uma doença muito destrutiva, tornou-se secundária no Brasil, nos últimos 20 anos, porque as variedades e híbridos mais plantados são mais resistentes à doença. Entretanto ainda é possível verificar alguns surtos da doença. Geralmente é tardia, mas quando o ataque é precoce, o desenvolvimento da planta é muito afetado (ALVES, 2010).
Sintomatologia Sintomas típicos da doença são manchas pequenas, escuras e angulares nas folhas. Durante a germinação de sementes infectadas, os cotilédones apresentam pontos pretos, irregulares, medindo 2 a 3 mm. Com o desenvolvimento da planta a infecção passa para as folhas mais novas, que ficam amareladas, morrem e caem. O ataque severo provoca intensa queima das folhas, devida ao coalescimento das lesões e necrose das hastes (ALVES,2010).
Algumas manchas apresentam rachaduras no centro das lesões. Os frutos não ocorre sintomas (ALVES,2010).
.
Sintoma morfológico: mancha
Ciclo da doença e epidemiologia
O fungo sobrevive em restos culturais no solo, em plantas tigüera ou em diversas solanáceas cultivadas como jiló, batata, pimentão e pimenta ou nativas. A disseminação ocorre por sementes, mudas infectadas e insetos, mas o principal agente é o vento (ALVES,2010).
A doença é favorecida por água livre nas folhas como orvalho, água da chuva ou de irrigação, e temperatura entre 25 a 28ºC (ALVES,2010).

Práticas de manejo Recomenda-se o plantio de variedades e híbridos resistentes; eliminação de restos de cultura; rotação de culturas e utilização de fungicidas protetores, tais como cúpricos quando forem plantadas variedades ou híbridos suscetíveis à doença (ALVES,2010).
O objetivo deste trabalho é apresentar aspectos gerais e morfológicos do fungo Stemphlium solani.

2. MATERIAIS E MÉTODOS

O trabalho foi realizado no laboratório de microbiologia do IF Goiano- campus Urutaí.
As estruturas fúngicas foram retiradas de uma folha do jiló () no laboratório de microbiologia do IF Goiano, onde foram realizados os seguintes procedimentos, utilizando microscópio estereoscópico analisaram-se os materiais para identificação das estruturas morfológicas fúngicas para conseguir identificar e coletar a estrutura do fungo, fazendo a pescagem direta próximo passo foi o preparo das laminas apos o preparo depositou o corante lactofenol-cotton-blue na lâmina e depois se retirou estruturas fungicas da folha e depositou sobre uma gota de corante, logo em seguida depositou-se a lamínula e vedou-se com esmalte.
Após a montagem a lâmina foi levada para visualização em microscópio ótico e registro microfotográfico. As estruturas morfológicas verificadas foram conidióforos, hifas e conídio, célula conidiogenica ampuliforme e enteroblástica.
Com a ajuda do professor Dr. Milton Lima, comparamos as estruturas observadas com estruturas descritas em literatura para identificar o gênero ao qual o fungo pertence. Nesse trabalho o fungo identificado pertenceu ao gênero Stemphylium sp.Também foram realizados microfotografias em microscópio estereoscópico. Os registros macro e microfotográficos foram realizados utilizando a câmera digital Kodak Easy Share C613.

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

DESCRIÇÃO MICOLÓGICA:



Figura 1. Aspectos morfológicos de Stemphyllium sp. A. conidióforos (a1), hifas (a2) e conídio (a3); B. Conidióforo (b1) e célula conidiogenica ampuliforme e enteroblástica (b2); C. conidióforo com quatro proliferações da célula conidiogênica, D. célula conidiogenica filiforme, E. conídios, F. conídios e conidióforos, G. conídio preso a célula conidiogenica, H. conídio emitindo tubo germinativo, I. conídio muriforme.

Bibliografia consultada
INDEX FUMGORUM Disponível em: , acessado em 18 outubro 2010.

ALVES.C.R.; PONTE.D.M.E. Mancha-De-Estenfílio. Fitopatologia.net. < id="186"> Acesso em: 16 de outubro de 2010

12 comentários:

  1. Sou Caullius da turma de tecnologo em gestão Ambiental.
    Falta colocar o curso que esta fazendo.

    ResponderExcluir
  2. Joao marcos TGA
    A CITAÇÃO "ALVES.C.R.; PONTE.D.M.E. Mancha-De-Estenfílio. Fitopatologia.net. < id="186"> Acesso em: 16 de outubro de 2010". Não esta no formato adequado por não mostrar de forma clara o local acessado para a realização da pesquisa

    ResponderExcluir
  3. Tarlei Uranio TGA.
    Faltou algumas acentuaçao
    Que curso voce faz?

    ResponderExcluir
  4. Bruna curso Tecnologo em Gestão Ambiental
    Faltou a descrição micológica do fungo.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Diego Araújo TGA.
    A prancha está difícil de ser vista e entendida, pois está pequena.

    ResponderExcluir
  7. Guilherme Araujo TGA.
    Difícil visualização da prancha de fotos.

    ResponderExcluir
  8. Sou Sabrina Pasetto, academica do curos de Tecnologia em Gestão Ambiental, falata a descrição micológica, e alguns paragrafos que estão na introdução faz parte da descrição micologica.

    ResponderExcluir
  9. Sou Tatiane do curso de TGA, na literatura citada, nao tem os sites indicados pelo professor.

    ResponderExcluir
  10. Taísa Mamedes- TGA 2° periodo,sua prancha está pequena e sua descrição micológica também esta faltando.

    ResponderExcluir

Seguidores

Postagens populares da Ultima Semana