sábado, 24 de agosto de 2013

Trabalho Acadêmico pertencente a disciplina de Microbiologia II:Aspectos sintomatológicos, etiológicos, epidemiológicos e controle de Plesiomonas shigelloides

Káryta Franciele Gomes dos Santos
Acadêmica do Curso Ciências Biológicas

INTRODUÇÃO

            A bactéria Plesiomonas shigelloides é um bacilo Gram-negativo, pertencente à família Enterobacteriaceae, isolada de água doce e salgada, de peixes de água doce, mariscos e de inúmeros tipos de animais. Suspeita-se que a maioria das infecções humanas causadas por P. shigelloides, seja veiculada pela água.
O gênero Plesiomonas é composto por apenas uma espécie, P. shigelloides, que foi originalmente descrita por Ferguson & Henderson (1947), como uma Enterobacteriaceae móvel. (Falcão, J.P; Gibotti, A.A. Plesiomonas shigelloides: um enteropatógeno emergente, 2007).
Até recentemente, o gênero Plesiomonas, espécie shigelloides, pertenceu à família Vibrionaceae, juntamente com os gêneros Aeromonas e Vibrio. (Janda citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).
Estudos moleculares, particularmente a análise das seqüências de nucleotídeos de RNA ribossomal 5S e 16S, mostraram que P. shigelloides está mais próxima de bactérias do gênero Proteus, que dos membros da família Vibrionaceae, o que sugere uma relação filogenética de Plesiomonas com a família Enterobacteriaceae (Martinez- Murcia et al., 1992; Ruimy et al., 1994 citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).
A bactéria P. shigelloides pode colonizar uma grande variedade de animais aquáticos como peixes, mariscos e camarões, mas também mamíferos como gatos, cães, suínos, entre outros. Os animais, alimentos e águas contaminadas são considerados como os veículos de transmissão de Plesiomonas para o homem (Kirov, 2001; Janda, 2005 citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).
A bactéria causa doença intestinal, sobretudo em indivíduos que vivem ou viajam para países tropicais e que ingerem alimentos marinhos crus e consomem água e/ou alimentos contaminados (Abbott, 2003 citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).
A bactéria mede 0,3 a 1,0 m de diâmetro por 2,0 a 3,0 m de comprimento, anaeróbio facultativo que apresenta motilidade por meio de dois a sete flagelos polares, produz a enzima oxidase, fermenta o inositol, a glicose e outros poucos carboidratos sem produção de gás, descarboxila a lisina e ornitina, dihidrolisa a arginina e é sensível ao agente Vibriostático O/129. Sua temperatura de crescimento varia entre 8 e 44°C, sendo considerada ótima em torno de 37 a 38°C. P. shigelloides apresenta pH ótimo de crescimento na faixa de 4,0 a 8,0 e é capaz de crescer em concentrações de sais que variam de 0 a 5% sendo bem tolerante às concentrações de 3,0 a 3,5% de NaCl (Kirov, 2001, citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).
Como muitas outras bactérias aquáticas, P. shigelloides pode utilizar, por meio da produção de quitinases, este composto polimérico como fonte de carbono e como um caminho para penetrar no exoesqueleto de diferentes organismos e ali se estabelecer (Ramaiah et al., 2000 citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).
O objetivo é apresentar informações a respeito da sintomatologia epidemiologia e controle de Plesiomonas shigelloides.

DESENVOLVIMETO

Epidemiologia
O principal habitat de P. shigelloides é o ambiente aquático, incluindo a água doce e do mar. Em países tropicais e subtropicais do sul da Ásia como Japão e Tailândia, vários países da África, Taiti e Austrália é comumente encontrada no intestino de peixes (Islam et al., 1991; Schubert & Beichert, 1993; Aldova et al., 1999; Pasquale & Krovacek, 2001; Janda, 2005, citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).
O frequente isolamento de P. shigelloides em diferentes espécies de animais reflete a probabilidade de exposição à bactéria na água. Dessa forma, é mais comum o isolamento em peixes, répteis, mamíferos e aves, respectivamente. É provável que essa bactéria pertença à microbiota intestinal normal de peixes e alguns outros animais que residem na água como anfíbios e alguns répteis, porém sua presença esporádica em fezes de animais pode ser devido à ingestão de peixes, água contaminada ou comida contaminada (Jagger, 2000 citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).
A maioria das cepas de P. shigelloides associadas com gastroenterite humana foi de fezes de pacientes com diarreia que vivem em áreas tropicais e subtropicais. Raramente são informadas tais infecções em regiões como EUA ou Europa. No Brasil é subdiagnosticada e subnotificada.

Sintomatologia
Os animais, alimentos e águas contaminadas são considerados como os veículos de transmissão de Plesiomonas para o homem (Kirov, 2001; Janda, 2005 citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007). A bactéria causa doença intestinal, sobretudo em indivíduos que vivem ou viajam para países tropicais e que ingerem alimentos marinhos crus e consomem água e/ou alimentos contaminados (Abbott, 2003 citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007). Ingestão de água contaminada e alimentos contaminados. Animais domésticos também são fonte de transmissão. (Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Vigilância Epidemiológica – CVE).As infecções humanas causadas por P. shigelloides podem ser intestinais e extra intestinais. A diarreia pode ocorrer na forma secretória ou diarreia com sangue e muco. A forma secretória, que é a mais comum, normalmente tem duração de um a sete dias, mas que pode ser prolongada (aproximadamente três semanas). (Kirov, 2001 citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).
A maioria dos pacientes adultos, dos quais P. shigelloides foi isolada, apresentavam sintomas de doença invasiva com sangue, fezes mucoides com leucócitos polimorfonucleares; relataram também que os pacientes apresentavam com frequências cólicas abdominais intensas, vômito e um pouco de desidratação. (Kirov, 2001 citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).

Tratamento
A maioria dos isolados é resistente a penicilinas, incluindo ampicilina, piperacilina, ticarcilina, meziocilina e carbenicilina. (Jagger, 2000 citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).
A maioria das sete P. shigelloides isoladas apresentaram resistência à penicilina, ampicilina, amicacina, carbenicilina e neomicina. Algumas dessas amostras foram também foram resistentes à gentamicina. Todas elas foram sensíveis a cloranfenicol, norfloxacina, tetraciclina e nitrofurantoína (Gibotti et al., 2000 citado por Falcão, J.P; Gibotti, A.A, 2007).
            Algumas medidas de controle podem ser usadas na prevenção: notificação de surtos - a ocorrência de surtos (dois ou mais casos) requer a notificação imediata às autoridades de vigilância epidemiológica municipal, regional ou central, para que se desencadeie a investigação das fontes comuns e o controle da transmissão através de medidas preventivas. Orientações poderão ser obtidas junto à Central de Vigilância Epidemiológica.
Medidas preventivas – cuidados com águas de recreação; ingerir alimentos cozidos, higienizados e água tratada; cuidados com animais domésticos que podem ser fonte de transmissão.
Medidas em epidemias – investigação dos surtos e identificação das fontes de transmissão para controle e prevenção. (Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Vigilância Epidemiológica – CVE).
As infecções respondem a um amplo espectro de antibióticos. Em casos severos tem sido utilizada a associação trimetoprim/sulfametoxazol (TMP/SMX). (Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Vigilância Epidemiológica – CVE).


CONCLUSÃO

Este trabalho relata um estudo sobre a bactéria Plesiomonas shigelloides, evidenciando seus riscos à saúde e as principais doenças que ela pode causar tanto ao ser humano quanto aos animais.
Destaca também todas as vias de transmissão, sintomas, lugares de sua ocorrência e o mais importante a ser considerado que é os outros métodos importantes para sua prevenção e o devido tratamento.


LITERATURA CITADA:

Falcão, J.P.1*; Gibotti, A.A.2; Souza, R.A.1; Campioni, F.1; Falcão, D.P.3 Plesiomonas shigelloides: um enteropatógeno emergente.

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Vigilância Epidemiológica - CVE
MANUAL DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Postagens populares da Ultima Semana