quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Aspectos gerais e morfológicos de Aphanomyces euteiches

Aspectos gerais e morfológicos de Aphanomyces euteiches


André Felippe Monteiro Guimarães
Acadêmico do Curso de Agronomia

1.                 INTRODUÇÃO

O fungo Aphanomyces euteiches pertence ao gênero aphanomyces foi descrito primeiramente por Drechsler, J.Agric.Res., Washington 30:311(1925) (INDEX FUNGORUM, 2011), nos Estados Unidos onde percebeu-se que o fungo é causador da doença de podridão das raízes de luguminosas como por exemplo a alfafa e a ervilha.O fungo não possui sinonímias e apresenta espécies patógenas de animais e plantas aquáticas na região da Índia.(Manual de Fitopatologia). O fungo não causa doença em humanos (VIDOTTO, 2004).
O fungo Aphanomyces euteiches é um oomyceto,que também e conhecido como molde de água,é um grande grupo de organismos aquáticos e terrestres, embora sejam conhecidos superficialmente como fungos no crescimento micelial e modo de nutrição estudos moleculares e características morfológicas distintas,os mesmos são integrados no Stramenopila ou reino Chromista, com algas marrons,douradas e diatomáceas (SOCIEDADE AMERICANA DE FITOPATOLOGIA, 2011).
O fungo A. euteiches apresenta os seguintes aspectos taxonômicos reino Chomista, filo Oomycota, classe dos Oomicetos, subclasse Saprolegniidae, ordem Saprolegniales, família Leptolegceae, gênero Aphanomyces (INDEX FUNGORUM,  2011). 
O gênero Aphanomyces é composto por quatro espécies distintas são elas: aphanomyces euteiches;aphanomyces euteiches f.sp euteiches aphanomyces euteiches f.sp phaseoli e aphnomyces euteiches f.sp fisi (INDEX FUNGORUM, 2011).
Para fornecer a primeira incursão na diversidade genética de A.euteiches duas bibliotecas de DNA foram construídas utilizando RNA extraídas em micélio de meio liquido artificial ou em contato com raízes de outras plantas (FILHO et al.,1995)
Aphanomyces euteiches é um molde de água, ou oomiceto,patógeno de planta radicular e causador da doença Aphanomyces,podridão radicular. A espécie A.euteiches pode infectar uma grande variedade de legumes.Sintomas da doença podem variar, mas geralmente incluem a redução no volume da raiz levando a baixa estatura e pouca folhagem. Aphanomyces podridão radicular é uma importante doença agrícola nos Estados Unidos,Austrália,Nova Zelândia e Japão. Para o controle da doença utiliza-se variedades resistentes e com boa drenagem de solo,bem como análise de solo para evitar áreas infectadas pelo patógeno. (HUGHES e CRAIG, 2007).
Na America do Norte, mais especificamente nos Estados Unidos, as populações geneticamente distintas de A.euteiches demonstram especificidade do hospedeiro, mas tal especificidade não foi observada na Europa (HEYMAN et al., 2008).
Os sintomas da doença ocorrem nas raízes e no caule abaixo da linha do solo,as raízes infectadas muitas vezes parecem cinza e ensopadas de água tornando-se moles e com coloração marrom ou castanho-escuro. Como dito anteriormente o patógeno prova diminuição no volume da raiz e atrapalha a mesma a executar suas funções pré determinadas o que leva a diminuição de água e nutrientes prejudicando a planta na sua região acima do solo. Um aspecto importante da doença que é observado é o fato de causar nanismo e murcha das folhas (AGRIOS et al., 2005).
As plantas infectadas também podem ter correlação com fatores oriundos da formação do solo, os quais são denominados fatores secundários de sintomas decorrentes principalmente da textura do solo em casos específicos quando a textura do solo (alto teor de argila no solo) ou também pela umidade excessiva devido a irrigação ao alto teor de chuva na região (BRADY & WEIL, 2010).
Em casos estudados especificamente como a ervilha e o feijão observou-se que o tempo e padrão da doença podem diferir entre plantas anuais e perenes. Em ambos os casos as lesões tendem a progredir ate o tecido vegetal a partir do epicótilo e movendo-se para o hipocótilo se estendendo acima do solo. Lesões no hipocótilo fazem com que a ervilha fique preta criando uma região comprimida acima dos cotilédones como resultado do tecido comprimido, já no feijão as lesões ficam evidentes pelo fato da leguminosa ficar com aspecto ensopado com coloração cinzenta ou verde e são firmes ao toque (THIGESEN et al., 2003).
Embora os sintomas causados por A.euteiches podem ser difíceis de serem distinguidos de outros patógenos infectantes de plantas tais como (Phytium, Rihzoctonea e Fusarium) existem algumas diferenças Aphanomyces podridão radicular raramente resulta em podridão de sementes. As lesões características causadas por outros patógenos diferem também pelo fato de Fusarium formar uma coloração preta ou vermelha no tecido vascular. (RIELGELLMAM et al., 2007)
Aphanomyces podridão radicular é um exemplo de uma doença monocíclica, causando apenas um ciclo de infecção por temporada. Isto está em contraste com doenças policíclicos, que podem infectar novos hospedeiros e produzir ciclos de doenças múltiplos dentro de uma única temporada.  A.euteiches  geralmente não é um saprófita na natureza mas podem ser cultivadas em culturas no laboratório.(JACOBEN et al., 1981) .
Embora A. euteiches pode potencialmente infectar hospedeiros a qualquer momento na estação de crescimento, a infecção normalmente começa durante a emergência das plântulas. A principal fonte de inoculo é o oósporo que podem ser encontrados tanto no solo como em restos das plantas infectadas das plantas hospedeiras,previamente infectados.( FARR e ROSSMAN, 2011).
Oósporos germinam como uma resposta a sinais químicos detectados a partir de raízes de plantas novas. A germinação pode ser direta ou indireta,mas de qualquer maneira, infectar começa na célula da extremidade da raiz da plana hospedeira.na germinação direta o oósporo produz hifas que penetram diretamente nas células hospedeiras nas pontas da planta raiz.Na germinação indireta o oósporo produz esporângeos que liberam zoósporos, os zoósporos então, sobre a célula das plantas hospedeiras germinam.Apos a germinação direta ou indireta as hifas de A. euteiches colonizam o tecido hospedeiro através de crescimento inter e intra-celular (RIELGELLMAM  et al; 2007) .
Para a reprodução sexual as hifas fazem tanto a parte masculina quanto a parte feminina as quais são chamas respectivamentes de anterídeo e ovogônia O anterídeo fertiliza a ovogônia que então desenvolvel um único oósporo e são originários de uma mesma hifa. O oósporo é de 20 a 35 micrometros de diâmetro. (HEYMAM & FREDERICK, 2008).
Ao crescer em condições ótimas, uma infecção de A. euteiches pode resultar em sintomas dentro de 10 dias, e oósporos podem ser formados entre 7 e 14 dias. Oósporos se tornam dormentes depois de ser formado, e pode sobreviver por mais de 10 anos  (TEASDASLE et al. 1975).
Segundo a literatura Farr e Rossman 2011, foram constatados vários hospedeiros para o fungo A. euteiches, é encontrado com maior facilidade e freqüência nos Estados Unidos,em vários estados do país existem descrições sobre A. euteiches. O fungo apresenta os seguintes hospedeiros: Apium graveolens var. Dulce, Capsella bursa-pastoris, Echinodorus brevipedicellatus, Hordeum vulgare, Lathyrus latifolius, Lathyrus odoratus, Lathyrus sativus, Lens culinaris, Medicago sativa, Melilotus alba, Melilotus officinalis, Phaseolus coccineus, Phaseolus vulgaris, Picea glauca, Pisum sativu, Pisum sativum var. arvense, Pisum sp.,  Stellaria media, Trifolium pretense, Trifolium repens, Trifolium subterraneum, Vicia arvense, Vicia sativa, Viola arvensi, Viola sp.
A. euteiches não apresenta uso industrial como farmacêutico e também não e utilizado na alimentação, o fungo apenas demonstra ser um importante patógeno de leguminosas,mas não e comumente usado diretamente na alimentação ou em qualquer outra forma de beneficio para o ser humano ( MICHEREFF et al., 2011) .
O objetivo deste trabalho é apresentar aspectos morfológicos do fungo Aphanomyces euteiches.

2. MATERIAIS E MÉTODOS

O trabalho foi realizado no Laboratório de Microbiologia do Instituto Federal Goiano campus Urutaí, onde já se encontrava pronta a lamina do fungo a ser descrito.
Na descrição foi utilizado o material contido no laboratório como o microscópio óptico para a visualização do fungo e como as fotos estavam prontas e aptas para a utilização na montagem da prancha não foi utilizada nenhuma câmera fotográfica.As pesquisas foram feitas com o acervo do professor Milton Lima os quais estavam na biblioteca do laboratório e também em sites da internet,e ao fim desta parte os links vão estar contidos para melhor informação ,o índex fugorum foi o site mais utilizado para a realização do trabalho, nele foi encontrado informações de suma importância como taxonomia do fungo e a primeira pessoa a descrevê-lo.
As lâminas foram preparadas no laboratório de microbiologia, onde foi retirada uma amostra da raiz de leguminosa, a qual apresentou indícios da presença do fungo A. euteiches, retirando um propágulo da leguminosa e utilizando os matérias necessários foi montada a lamina utilizada na retirada das fotos do fungo descrito.
No microscópio óptico a primeira objetiva a ser usada deve ser a menor (4x) para que se possam focalizar os propágulos depositados na lâmina, após a observação destes aumentou-se a objetiva para 10x e logo em seguida para a objetiva de 40x onde observou-se com mais detalhes as estruturas fúngicas.
Para esse trabalho foram realizadas microfotografias das estruturas fúngicas no microscópio ótico utilizando câmera digital Canon modelo Power Shot A580. Para confecção da prancha de fotos que foram editadas com o Windows Live Galeria de Fotos e a prancha confeccionada no Microsoft Office PowerPoint 2007.


 RESULTADOS E DISCUSSÃO

FIGURA 1. Aspectos morfológicos do fungo Aphanomyces euteiches, A. Hifa,suas hifas são delicadas, moderadamente ramificadas, B. Zoósporo, é alongado podendo formar tubos germinativos (Bar=4,846µm), C. Zoósporo, possue formato esférico, D. Ogônio é terminal formando ramificações laterais curtas de formato esférico ou subesférico (Bar=4,371µm), E. Antenídeo é curvado, clavado e muitas vezes conspícuo entretanto pode ser reto ou ramificado, F.Oósporo germina sem um período de repouso para formar diretamente a hifa ou dar origem ao zoósporo (Bar=3,6µm).


Descrição micológica

Suas hifas são de 4 a 10 micrometros, são delicadas moderadamente ramificadas, o esporangio, em água ele se converte em opções de micélio vegetativo delimitados por um ou mais septos ou com uma ou mais ramificações os zoósporo são alongados podendo formar tubos germinativos quando sofrem cisteamento tem o formato esférico e possuem de 8 a 11 micrometro de diâmetro, podem se agrupar de uma forma irregular ou difanética, o ogonio é terminal formando ramificações laterais curtas de formato esférico ou subesférico possuindo de 25 a 35 micrometros de diâmetro a parede e irregular e fina,lisa ou com contorno cinuoso o antenidio tem de 1 a 5 micrometros de largura é curvado, clavado e muitas vezes conspícuo entretanto pode ser reto ou ramificado. O oósporo é de 18 a 25 micrometros de diâmetro,parede uniforme,possui de 1 a 5 micrometros de diâmetro e germina sem um período de repouso para formar diretamente a hifa ou dar origem ao zoósporo.


 4. LITERATURA CITADA.

AGRIOS, GEORGE N. 2005. Plant Pathology. 5 ª ed. Elsevier Academic Press, Burlington, MA.
© 2011 A Sociedade Americana de Fitopatologia.disponivel em <http://www.apsnet.org/edcenter/intropp/LabExercises/Pages/Oomycetes.aspx> acessado em 18/11/2011.

BRADY, NC e RR WEIL. 2010. Elementos da Natureza e Propriedades dos Solos. 3 ª ed. Prentice Hall, Boston, MA. p. 345

DUMAS, B. et. al Transcriptome of Aphanomyces euteiches: New Oomycete Putative Pathogenicity Factors and Metabolic Pathways disponivel em:<http://www.plosone.org/article/info:doi/10.1371/journal.pone.0001723> acessado: 09/11/2011.

HEYMAN, FREDERIK. 2008. Rot raiz de ervilha causada por euteiches Aphanomyces. Tese de doutorado. Universidade Sueca de Ciências Agrícolas, Uppsala. Disponível em : <http://diss-epsilon.slu.se:8080/archive/00001652/01/Avhandling.pdf>   acessado:16/11/2011.

HUGHES, TERESA J., e CRAIG R. GRAU. 2007. Aphanomyces podridão radicular ou podridão da raiz comum de legumes. O Instrutor de Sanidade Vegetal. disponivel em: <http://www.apsnet.org/edcenter/intropp/lessons/fungi/Oomycetes/Pages/Aphanomyces.aspx> acessado em 21/11/2011

INDEX FUNGORUM, Banco de Dados para Pesquisa de Táxons Fúngicos. Disponível em: <http://www.indexfungorum.org/names/NamesRecord.asp?RecordID=264411> acessado em 21/11/2011.

JACOBSEN, BJ, HJ HOPEN. 1981. Influência de herbicidas na Aphanomyces podridão radicular de ervilhas. 65, 1:11-16. 

MALVICK, DK e CR GRAU. 2001. Características e freqüência das Raças Aphanomyces euteiches 1 e 2 Associated com Alfafa nos Estados Unidos Midwestern Estados. 85,7:740-740 disponivel em: <http://apsjournals.apsnet.org/doi/abs/10.1094/PDIS.2001.85.7.740> acessado 21/11/2011.

MUNKVOLD, GP, WM CARLTON, CE BRUMMER, MEYER, JR, UNDERSANDER, DJ, e CR GRAU. 2001. Virulência do euteiches Aphanomyces isolados de Iowa e Wisconsin e os benefícios da resistência à euteiches A. em cultivares de alfafa. Planta de Doenças. 85,3:328-disponivel em 333. http://apsjournals.apsnet.org/doi/pdf/10.1094/PDIS.2001.85.3.328 acessado 14/11/2011.

MUNKVOLD, GP, WM CARLTON, CE BRUMMER, MEYER, JR, UNDERSANDER, DJ, e CR GRAU. 2001. Virulência do euteiches Aphanomyces isolados de Iowa e Wisconsin e os benefícios da resistência à euteiches A. em cultivares de alfafa. Planta de Doenças. 85,3:328-333.disponivel em  http://apsjournals.apsnet.org/doi/pdf/10.1094/PDIS.2001.85.3.328 acessado 21/11/2011

PAPAVIZAS, GEORGE C. e WILLIAM A. AYERS. . 1974 Aphanomyces espécies e doenças sua raiz na ervilha e beterraba: uma revisão. United States Department of Agriculture, Washington, DC 

TEASDALE, JR, RG HARVEY, e DJ HAGEDORN. 1979. Mecanismo para a supressão de ervilha ( Pisume sativum podridão da raiz) por herbicidas dinitroaniline. Sociedade Weed Science of America. 27, 2:195-201. Disponível em www.jstor.org/stable/4043003. acessado 21/11/2011.

THYGESEN, KARIN, JOHN LARSEN, e LARS BØDKER. 2003. Fungos micorrízicos arbusculares reduzir o desenvolvimento da ervilha raiz podridão causada por euteiches Aphanomyces oósporos usando como inóculo do patógeno. European Journal of Plant Pathology 110:. 411-419 .
Farr, D.F., & Rossman, A.Y. Fungal Databases, Systematic Mycology and Microbiology Laboratory, ARS, USDA. Disponível em: . Acesso em: 13/12/2011.
INDEX FUNGORUM Disponível em: < http://www.indexfungorum.org/names/Names.asp>. Acesso em: 13/12//2011.
FARR, D.F., & ROSSMAN, A.Y. Fungal Databases, Disponível em: http://www.pgfitopat.ufrpe.br/publicacoes/samilivro3.pdf, acessado em 15/12 de 2011 . 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Postagens populares da Ultima Semana