segunda-feira, 8 de novembro de 2010

“ASPECTOS GERAIS E MORFOLÓGICOS DO FUNGO Ochroconis sp.”

Larissa Caixeta da Silva

O gênero Ochroconis sp. Hoog. & von Arx. (1974) pertence ao Reino Fungi, grupo dos fungos mitospóricos, sub-grupo hifomicetes. A forma teleomórfica pertence ao Reino Fungi, Divisão Ascomycota, e não se conhece as demais posições taxonômicas, nem sua forma teleomórfica em literaturas. O gênero apresenta a espécie tipo Scolecobasidium constricum Abboutt. E em Saccardo apresenta listados 7 espécies pertencentes ao gênero como: O. anelllii, O. constricta, O. crassihumicola, O.humicola, O. simplex, O. variabilis, O. verruculosa (Index Fungorum, 2010).

De acordo com Index Fungorum (2010), o gênero não apresenta nenhuma formae specialis e variedades descritas em literatura. E apresenta 11 espécies descritas: O. anellii (Graniti) Hoog & Arx 1973; O. atlantica A.M. Wellman 1975; O. constricta (E.V. Abbott) de Hoog & Arx 1974; O. crassihumicola (Matsush.) de Hoog & Arx 1973; O. gallopava (W.B. Cooke) de Hoog 1983; O. gamsii de Hoog 1985; O. humicola (G.L. Barron & L.V. Busch) de Hoog & Arx 1973; O. simplex (Papendorf) de Hoog & Arx 1973; O. tshawytschae (Doty & D.W. Slater) Kiril. & Al-Achmed 1977; O. variabilis (G.L. Barron & L.V. Busch) de Hoog & Arx 1973; O. verruculosa (R.Y. Roy, R.S. Dwivedi & R.R. Mishra) de Hoog & Arx 1973.

A planta hospedeira do gênero Ochroconis sp. é Palmiteiro (Euterpes edulis Mart) (Arecaceae) que atua na decomposição de folhas (Embrapa Cernagem, 2010).

Fungos que infectam a hospedeira: Alternaria sp. Nees; Aspergillus sp. Link; Brachysporiella gayanae Bat; Calonectria ilicicola Boedijn & Reitsma; Candelospora ilicicola Hawley; Cylindrocladium ilicicola (Hawley) Boedijn & Reitsma; Chalara alabamensis Morgan-Jones; Chalara aurea (Corda) S. Hughes; Chloridium transversalis Morgan-Jones; Chloridium virescens var. virescens (Pers.) W. Gams & Hol.-Jech.; Cladosporium cladosporioides (Fresen.) G.A. de Vries; Colletotrichum gloeosporioides (Penz.) Penz. & Sacc.; Colletotrichum sp. Corda; Crepidotus euterpicola Senn-Irlet & de Meijer; Cryptophiale kakombensis Piroz.; Cryptophiale udagawae Piroz. & Ichinoe; Dendrosporomyces splendens Nawawi & Kuthub.; Dictyochaeta minutissima A. Hern. Gut. & J. Mena; Dictyochaeta novae-guineensis Matsush; Diplococcium stoveri (M.B. Ellis); Fusarium sp. Link; Gonytrichum chlamydosporium G.L. Barron & G.C. Bhatt; Humicola grisea Traaen; Kionochaeta ramifera (Matsush.) P.M. Kirk & B. Sutton; Mycoleptodiscus brasiliensis B. Sutton & Hodges; O. humicola G. L. Barron & L. V. Busch; Penzigomyces parvus S. Hughes; Phialophora humicola S. C. Jong; Ramichloridium apiculatum Hoog; Rhinocladiella phaeophora; Rhizoctonia solani J.G. Kühn; Rhizopus sp. Ehrenb; Sporidesmiella hyalosperma (Corda); Sporidesmium bambusicola M. B. Ellis; Sporidesmium leonense M. B. Ellis; Thozetella cristata Piroz. & Hodges (Embrapa Cernagem, 2010).

De acordo com Bastos (2010) o gênero de espécie Ochroconis gallopavum pertence à classe de risco 2. Seu patógeno pode causar doença ao homem ou aos animais, mas não consiste em sério risco, a quem o manipula em condições de contenção, à comunidade, aos seres vivos e ao meio ambiente.

Os fungos pertencentes ao gênero Ochroconis sp. tendem a crescer em ambientes quentes e são normalmente encontrados no solo e na vegetação em decomposição, que pode sofrer compostagem associadas à geração e liberação de calor (Barbosa, 2010).

Durante um levantamento de fungos anamórficos (Hyphomycetes) associados à folhas em decomposição de diferentes plantas na região semi-árida do Estado da Bahia foi encontrado registros do fungo Ochroconis crassihumicola (Matsush.) de Hoog & Arx,1973 pela primeira vez no Brasil (Barbosa, 2010).

O fungo de espécie Ochroconis gallopavum (W. B. Cooke) de Hoog 1983, foi encontrado em pacientes imunocomprometidos em Jacksonville nos EUA. É um fungo dematiáceo conhecido por causar doenças em imunocomprometidos e epidemia em aves de capoeira. É geralmente encontrado em ambientes quentes e em decomposição do composto. Pode causar abcessos múltiplos no pulmão e levar à morte (Odell et al., 2010).

O objetivo deste trabalho é apresentar aspectos gerais e morfológicos do fungo Ochroconis sp.


MATERIAIS E MÉTODOS

O trabalho foi realizado no Laboratório de Microbiologia do Instituto Federal Goiano campus Urutaí.

Os propágulos do fungo foram retirados da placa de Petri preparada em meio de cultura BDA. Com o auxílio de pinças e estiletes os propágulos foram retirados da placa e colocados em lâminas com duas gotas do corante azul de metileno e em seguida colocou-se a lamínula sobre a lâmina. O excesso de corante foi retirado com papel toalha e vedada com esmalte incolor.

Após o processo de fabricação da lâmina a amostra foi levada ao microscópio óptico para ser visualizada.

No microscópio a primeira objetiva a ser usada deve ser a menor (4x), para que possamos observar se os propágulos foram depositados na lâmina, após a observação destes, aumentamos as objetivas para os aumentos de 10x e 40x, e se necessário 100x, para se observar as estruturas fúngicas com mais detalhes.

Para medição das estruturas fúngicas foi utilizada uma lente ocular micrométrica com a objetiva 100x. Foram medidos 50 conídios, 50 conidióforos e 50 células conidiogênicas no microscópio óptico.

Comparamos as estruturas observadas com estruturas descritas em literatura para identificar o gênero ao qual o fungo pertence. Nesse trabalho o fungo identificado pertenceu ao gênero Ochroconis sp.

Para esse trabalho foram realizadas microfotografias das estruturas fúngicas no microscópio utilizando câmera digital Canon® modelo Power Shot A580.


RESULTADOS E DISCUSSÃO

Figura 1 – Aspectos morfológicos do fungo Ochroconis sp. A. Hifa escura e septada (bar= 5µm), B. Extremidade terminal do conidióforo (bar= 4,7µm), C. Conidióforo com cicatrizes de secessão enteroblástica trética (bar= 4,4µm), D. Conidióforo irregular (bar= 3,2 µm), E. Detalhe da célula conidiogênica cicatrizada (bar= 3µm), F. Conídios hialinos esféricos à avóides (bar= 8µm).

DESCRIÇÃO MICOLÓGICA

Colônias efusas, cotonosas, estreitas, algumas vezes de coloração olivacea. As suas hifas(Figura 1A) são subhialinas algumas vezes com tonalidades de palha a oliva, são lisas e ocasionalmente verrugosas e apresentam a largura da hifa de 1-3 µm. Os conidióforos (Figura 1ABC) são retos ou flexuosos algumas vezes clavados, lisos ou medianamente olivaceos. Esses conidióforos apresentam de 35 µm de comprimento 2-5 µm de largura. Os conídios (Figura 1F)são retos, oblongos, nas suas terminações normalmente são elipsóides (estreitados), são marrom olivaceos, verrugosos e medianamente equinulados e apresentam 2-3 septos transversais e ocasionalmente pode apresentar um septo longitudinal quando eles estão maduros e as vezes podem ter constrições (Figura 1C)no local do septo. As dimensões do conídio são de 10-23 (14) µm de comprimento e 4-7 (5) µm de largura. Este descoberto foi descrito na Itália em rochas estalactites (Ellis, 2010).


LITERATURA CITADA

BARBOSA, F. R.; Gusmão, L. F. P.; Barbosa, F. F. Fungos anamórficos (Hyphomicetes) no Semi-árido do Estado da Bahia, Brasil. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062008000100004&lng=pt&nrm=iso, acessado em 02 de novembro de 2010.

BASTOS, E. Classificação dos Microorganismos. Disponível em: http://www.ebah.com.br/classificacao-dos-microorganismos-doc-a44404.html, acessado em 06 de novembro de 2010.

ELLIS, M. B. More Dematiaceous Hyphomycetes. Ed. CAB - Crommonweath Mycological Institute. Kew, Surrey, England 1976.

EMBRAPA CERNAGEM. Fungos Relatados em Plantas no Brasil. Disponível em: http://pragawall.cenargen.embrapa.br/aiqweb/michtml/fichafg.asp?id=8181, acessado em 29 de outubro de 2010.

EMBRAPA CERNAGEM. Plantas Hospedeiras dos Fungos Relatados no Brasil. Disponível em: http://pragawall.cenargen.embrapa.br/aiqweb/michtml/fgbd02a.asp#E, acessado em 29 de outubro de 2010.

INDEX FUNGORUM. Disponível em: http://www.indexfungorum.org/names/Names.asp, acessado em 29 de outubro de 2010.

INDEX FUNGORUM. Disponível em: http://www.librifungorum.org/image.asp?ItemID=42&ImageFileName=IXF4-314.jpg, acessado em 29 de outubro de 2010.

ODELL, J. A.; ALVAREZ, S.; CVITKOVICH, D. G.; CORTESE, D. A.; MC COMB, B. L. Pulmão de múltiplos abscessos, devido a Ochroconis gallopavum. Disponível em: http://chestjournal.chestpubs.org/content/118/5/1503.full, acessado em 03 de novembro de 2010.

26 comentários:

  1. Poderia colocar na prancha setas indicando as estruturas fúngicas levando a uma melhor compreensão

    ResponderExcluir
  2. Faltou a indicação das estruturas fungicas na prancha, no geral o trabalho ficou muito bom.

    ResponderExcluir
  3. Dá licença mas o meu trabalho ta ótimoooo...

    ResponderExcluir
  4. Cássio: Não foi demonstrada a composição do corante.

    ResponderExcluir
  5. Faltou comentar se há uso industrial ou alimentício do fungo descrito.
    Bom trabalho.

    ResponderExcluir
  6. não e necessário citar as lentes utilizadas no microscópio

    ResponderExcluir
  7. Faltou justificar as referencias bibliograficas.

    ResponderExcluir
  8. Não precisava colocar de quem era a maquina fotografica.

    ResponderExcluir
  9. Faltou a indicação das estruturas fungicas na prancha

    ResponderExcluir
  10. No primeiro parágrafo da introdução as espécies não estão em itálico. O trabalho ficou ótimo!

    ResponderExcluir
  11. Alicionon Oliveira: Faltou somente algumas citaçoes no final, mas otimo trabalho Lari. bjs

    ResponderExcluir
  12. Edvan Müller: Na prancha poderia ter indicado as estruturas para melhor entendimento. muito bom o trabalho.

    ResponderExcluir
  13. Marcelo Mueller: Faltou algumas informações na introdução.

    ResponderExcluir
  14. Melhor um pouco as imagens da prancha

    ResponderExcluir
  15. Alisson : o texto nao esta com uma formataçao adequada.

    ResponderExcluir
  16. Lucas Silva: na introdução tem paragrafos grandes e pequenos seria melhor colocar de forma homogênea, seu fungo por ser novo fica complicado achar informações mais penso que é desnecessário falar da hospedeira uma vez que o trabalho refere-se ao fungo.
    Na prancha colocar as medidas das outras estruturas fúngicas.
    Abraços ;;..

    ResponderExcluir
  17. Foi citado o seguinte trecho na introdução:"o gênero de espécie Ochroconis gallopavum pertence à classe de risco . Seu patógeno pode causar doença ao homem ou aos animais" Que donça seria essa? Quais seriam seus sintomas?
    Existe alguma finalidade industrial para este gênero fungico?

    ResponderExcluir
  18. faltou um pouco de formatação, no mais foi um bom trabalho.

    ResponderExcluir

Seguidores

Postagens populares da Ultima Semana