quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Plantio e Manejo da cultura da soja; Estudante do curso técnico em Agropecuária; Agnaldo Jorge da Silva Filho; Prof. Milton Luiz da Paz Lima





Este texto foi desenvolvido pelo estudante do Curso Técnico em Agropecuára do IFGoiano - Campus Urutaí.



Introdução

    Essa cultura tem como centro de origem a região leste da China, onde sofreu domesticação por volta so século XI A.C no Brasil, o primeiro registro da introdução da soja foi em 1882, na Bahia, por Gustavo Dutra. Outros registros históricos indicam que a soja “amarela” foi inicialmente plantada na Estação Agronômica de Campinas em 1891, para teste como planta forrageira.
     Apartir da década de 70, a cultura da soja evoluiu significativamente nos estados produtores, não só no Sul, mas também nos estados do Centro-Oeste do Brasil.
     Com o desenvolvimento de várias cultivares adaptadas as diferentes regiões agroclimaticas do país, o Brasil tornou-se o segundo maior produtor de soja.
      A soja ( Glycine max ) é uma das princípais fontes de proteína e óleo vegetal do mundo.
Ela tem sido cultivada comercialmente e utilizada nas alimentações humanas e animais por milênios, sem nenhum registro de danos causados aos consumidores ou ao meio ambiente.
      A soja é amplamente cultivada em vários países do mundo. Os princípais produtores mundiais são os Estados Unidos, Brasil, a Argentina e a China. No Brasil as princípais aréas produtoras estão na regiões Sul, Suldeste e Centro-Oeste do país. Os estados do parana, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Goiás são os princípais produtores de soja do Brasil.
      A soja do Brasil é predominantemente utilizada para o processamento do grão em óleo e proteina. A proteina processada é utilizada como suplemento proteico na ração animal.

Objetivo

     O objetivo deste trabalho e trasmitir ao leitor uma breve introdução a respeito da soja, mostrando-lhe como e feito o preparo do solo para seu plantio, as formas de plantio, os tratos culturais a sua emportancia em nosso país átual. (FILHO,A.J.S.)


Desenvolvimento

Manejo e Concervação do Solo
      Enleiramento: Consiste na colocação do material derrubado em linhas, para facilitar sua remoção posterior, é perpendicular ao declive, para constituirem bareira ao passivel escorimento superficial da água. Para esse trabalho séra utilizado o ancinho frontal ou a lamina, sendo bem mais adequado, por transportar menos quantidade de solo. Seguirão a essa operação a retirada do material, possível deslocar a catação de raízes.
     Preparo do Solo: Na impossibilidade de adoção do sistema de plantio direto, a melhor opção para condicionar o solo para semeadora de soja é o preparo minímo empregando implementos de escarificação do solo. Nesse caso o objetivo é reduzir o número de operações e não a profundidade de trabalho dos implementos. As vantagens desse sistema são: almento da rugosidade do terreno, proteção da superficíe do solo com restos culturais, elevado rendimento operacional de maquinas e menor consumo de combustível.
     Descompactação do Solo: Em solos compactados se verifica baixa taxa de infiltração de água, ocorrência frequente de enxurrada, raízes deformadas, estruturas degradadas e elevada resistencia as operações de preparo.
     Em consequencia, sintomas de deficiencia de água nas plantas podem ser evidenciados mesmo em pequenas trincheiras, visando detectar o limite inferior da camada através do aspecto morfológico da estrutura do solo, da forma da distribuição do sistema radicular das plantas ou da resistência ao toque com instrumento pontiagudo. Normalmente, o limite inferior da camada compactada não ultrapassa 25 cm de profundidade.
      Para descompactar o solo, recomenda-se usar implementos de escarificação contendo hastes com ponteiras estreitas, reguladas para operar imediatamente abaixo da camada compactada. O espaçamento entre hastes deve ser de 1,2 a 1,3 vezes a profundidade de trabalho. A descompactação deve ser realizada em condições de solo com baixa umidade. Os efeitos benéficos dessa prática dependem do manejo adotado após a descompactação. Em sequência as operações de descompactação do dolo, é recomendado a semeadora de culturas de elevada produção de massa vegeal e de sistema radicular abundante. Em geral, havendo intensa produção de biomassa em todas as safras e controle do tráfego de maquinas na lavoura, a escarificação do solo não necessita ser repetida.

Umidade e temperatura do Solo: Para a germinação e a emergência da plântula, requer absorção de água de pelo menos 50% do seu peso seco. Para que isso ocorra, devem haver adequada umidade e aeração do solo e a semeada deve proporcionar o melhor contato possivél entre o solo e a semente. Semeadura em solo com influência Hídrica, prejudica o processo de germinação, podendo torná-lo mais lento, expondo as sementes, ás pragas e aos micro organismos do solo, reduzindo a chance de obtenção das população de palntas desejadas. Em caso de semeadura nessas condições, o tratamento de sementes com fungicidas pode prolongar a capacidade de germinação das mesmas, até que ocorra condição favorável de umidade de solo. 
     A temperatura média do solo, adequada para semeadura de soja, vai de 20°C a 30° C sendo 25°C a ideal para uma emergência rápida e uniforme. Semeadura em solo com temperatura média inferior a 18°C pode resultar em drástica redução nos indices de germinação de emergência, além de tornar mais lento esse proscesso. Isso pode ocorrer em semeaduras anteriores à epóca indicada em cada região. Temperaturas acima de 40°C também, podem ser prejudiciais (Embrapa, 2011).
Nitrogênio: É o nutriente requerido em maior quantidade pela cultura da soja. Estima-se que para produzir 1.000 kg de grãos são necessarios 80 kg de nitrogênio. Basicamente as fontes de Nitrogênio disponíveis para a cultura da soja são os fertilizantes nitrogenados e a fixação biologica do nitrogênio. (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa).
Fixação Biologica do Nitrogênio (FBN): É a principal fonte de Nitrogênio para a cultura da soja. Bacteriasdo genêro “Rhizobium”, quando em contato com as raizes da soja, infectam as raizes, via pêlos radiculares, formando os nódulos. A “FBN” pode, dependendo de sua eficiência, fornecer todo o nitrogênio que a soja necessita.
Qualidade e quantidade dos inoculantes: Os inoculantes turfosos, liquidos ou outras formações devem ter comprovada a eficiência agronômica, conforme normas oficiais da “RELARE”, aprovadas pelo “Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento” “MAPA”.
A quantidade miníma de inoculantes a ser utilizada deve fornecer 600.000 células/sementes. Resultados de pesquisa indicam beneficios crescentes a nodulação e á fixação biológica do nitrogênio pela utilização de populações de até 1.200.000 células/semente. A base de cálculo para o número de bactérias/semente é a concentração registrada no “MAPA” e que consta da embalagem. (Embrapa, 2011)


     Cuidados na inoculação: Fazer a inoculação á sombra e efetual a semeadura no mesmo dia especificamente se a semente for tratada com fungicida e micro-nutrientes, mantendo a semente inoculada protegida do sol e do calor excessivo.
• Evitar o aquecimento, em demasia do deposito da semente na semeadora, pois altas temperaturas reduzem o número de bactérias à semente.
• Para melhorar a derencia dos inoculantes turfosos, recomenda-se umedecer a semente com 300 ml/50kg semente de água açucarada a 10% (100g de açúcar e completar para um litro de água).
E imprescindível que a destribuição do inoculante furfoso ou líquido seja uniforme em todas as sementes para que tenhamos o benéficio da fixação biológica do nitrogênio em todas as plantas. (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa).

Inoculação nas sementes

     Inoculante Furfoso: Umedecer as sementes com solução açucarada ou outra substância adesiva, misturando bem. Adicionar o inoculante, homogenizar e deixar secar à sombra. A distribuição da mistura açucarada/adesiva mais inoculante nas sementes deve ser feita, preferencialmente, em máquinas proprias, tambor giratório ou betoneira.
Inoculante líquido: Aplicar o inoculante nas sementes, homogenétizar e deixar secar a sombra. (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa).

Manejo da Cultura

      Espaçamento entre fileiras, densidade e profundidade de Semeadura: Nas epocas indicadas de semeadura, devem ser empregados espaçamentos de 20 a 50cm entre as fileiras. Trabalhos realizados recentemente com algumas cultivares indicam aumento de rendimento com o uso do espaçamento de 20 cm, com população de plantas indicada e quando a semeadura é feita no final da época indicada.
      A população de plantas indicada para a cultura de soja situa-se em torno de 400.000 plantas por hectare ou 40 plantas/m² variações de 20 a 25% nesse número, para mais ou para menos, não alteram significativamente o resultado de grãos para a maioria dos casos, desde que as plantas sejam distribuidas uniformemente sem muitas falhas.
     O uso de populações de plantas muito acima da indicada, além de não proporcionar acréscimos no rendimento de grãos, pode acarretar fiscos de perdas por acamamento e pelo aumento do custo de produção.
      Por outro lado, densidade muito baixas resultam em plantas de baixo porte, em menor competição de soja com as plantas daninhas e em maiores perdas na colheita.
      Em condições que favorecem a ocorrência de acamamento das plantas, podem se corrigir o problema sem afetar o rendimento, reduzindo-se a população em 20 e 25%.
      Para os solos de várzea, o espaçamento indicado e de 50cm entre fileiras, de 40 plantas por metro quadrado.
     A profundidade de semeadura indicada varia de 2,5 a 5,0cm, sendo que as menores profundidades (2,5 a 3,0) devem ser adotades quando há adequada umidade no solo.
      Medidas Preventivas: A prevenção consiste no uso de praticas que evitam a introdução, o estabelecimento e a disseminação de determinadas especies daninhas em áreas que ainda não foram infestadas por elas. Para atingir tal objetivo, a prevenção baseia-se no conhecimento dos métodos de reprodução e de disseminação dessas especies, a fim de interromper seus ciclos de multiplicação e de disperção.
      O sucesso de prevenção irá depender, além de caracteristicas inerentes às especies daninhas, no esforço que for aplicado ao próprio programa. Ressalta-se que esse é o metodo que propicia maior retorno em relação ao custo, beneficio aplicado. A constante vigilância que o agricultor deve manter na propriedade é o ponto cheva para se obter sucesso com a prevenção. Deve-se lembrar que grandes infestações podem iniciar-se com apenas uma ou com poucas sementes.
      O uso de sementes certificadas deve ser sempre a primeira etapa de qualquer programa preventivo.
      A utilização de sementes de soja contaminadas representa o meio mais comum de introdução e de manutenção das infestações de plantas daninhas nas lavouras. A falta de cuidado nesse aspecto tem sido um dos fatores mais importantes de disseminação de espécies problematicas de plantas de uma região para outra. Neste sentido, existe leis federais e estaduais cuja finalidade é garantir a qualidade e a pureza das semantes comerciais e reduzir a disseminação de especies nocivas, esta legislação espabelece limites de tolerância para sementes de espécies consideradas proibidas para a cultura.
     Outras medidas preventivas que também deve ser consideradas necessária são: realizar limpeza adicional das sementes a semear; limpar cuidadosamente o equipamento de usso agrícola, como tratores, arados, grades e colheitadeiras, antes dele entrar numa área nova ou quando mudar de área; tomar cuidados especiais na movimentação e no manejo de animais de pastejo; praticar limpeza sistematica de terraços e de curvas-de-nivel, linhas de cercas, beiras de estradas e canais de irrigação e drenagem; evitar a movimentação de sementes, de palha ou outros resíduos vegetais e de terra das lavouras de uma área para outra.
Uma das medidas preventivas mais eficientes para reduzir a infestação de plantas daninhas é evitar a produção de suas sementes, pois é essencial efetuar a eliminação, das partes aéreas das plantas antes de ocorrer o florescimento.
      Método Cultural: Respeitadas as exigencias de cada cultivar, indica-se buscar o mais rápido fechamento das entrelinhas para possibilitar o sombreamento do solo. Pra isso, indica-se empregar espaçamento de 35 a 50cm, respeitando a população de plantas indicada para a cultura de soja.
Isso ocasionará menor grau de infestação de plantas daninhas, bem como comtribuirá para maior eficiência dos métodos de controle empregados.
      A rotação cultural deve ser estimulada, não só pelas suas multiplas vantagens, mas também para impedir a seleção natural de plantas daninhas, para impedir a dominancia de certas especies e consequentemente, para facilitar as medidas de controle. A cobertura do solo com outras culturas ou com forrageiras tenderá a diminuir a presença de plantas indesejaveis.
      Método Mecânico: É muito importante a escolha do equipamento adequado às condições de lavoura e ao esquema de implantação da cultura. Os diversos metodos de capineiras apresentam um comportamento similar no controle de plantas daninhas, eliminando de 75 a 80% das mesmasquando da realização de duas capinaas.
      Quando à epoca, a primeira capina não deve ultrapassar os 20 dias após a emergencia da cultura e a segunda deve ser realizada entre 25 e 35 dias. No caso especifico das capineiras rotativas de arrasto, é muito importante que a primeiracapina ocorra nas primeiras 2 semanas preferencialmente quando as plantas daninhas esptiverem com uma a duas folhas, pois o atraso implicará em redução drastica da aficiência da capina. Na segunda capina, se necessária, este equipamento deveráser usado até 28 dias após a emergência da cultura.
     A regulagem das capineiras, especificamente as rotativas de arrasto, deve ser feita previamente numa pequena área da lavoura, pois a otimização das mesmas está relacionada com a textura e a compactação do solo, bem como o grau de infestações da área por plantas daninhas.
      Quando as capineiras de entrelinhas, deve se usar ponteiras do tipo “asa-de-andorinha”, pois este modelo apresenta a vantagem de efetuar uma capina superficial, sem remover grande quantidade de solo e sem formar sulcos profundos nas entrelinhas, evitando-se, com isso danos no sistema radicular das plantas de soja.
     Método Químico: Dentre as tecnologias atualmente indicadas para o controle das plantas daninhas na cultura da soja, os herbicidas têm sido a alternativa mais usada pelo produtor. Quando empregados corretamente respondem com eficiência e segurança ao objetivo visado. Caso contrário poderão causar sérios prejuízos não so à cultura, como também ao homem e ao ambiente.
      A experiência sugere que o controle químico pode ser encarrado como uma alternativa realmente eficiente. No entanto, não se deve deixar de lado os demais métodos e práticas culturais indicados para a mesma finalidade, os quais são eficientes e também e conômicos e devem ser usados de forma integrada.
Para se obter máxima eficiência com o controle químico é fundamental que o equipamento de aplicação esteja em perfeitas condições de uso, sem vazamentos, com uniformidade de bico na barra e fundamentalmente bem regulado e calibrado. Plantas daninhas especificas, como: angiquinho, fedegoso, grama-seda, joá-de-capote, quinquilho, tiririca, trapoerapa, que estão em fracas dispersão no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, ou que são importantes em determinadas áreas, ainda carecem de maiores informações da pesquisa para serem incluidas de eficiência e de controle pelos herbicidas. (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa).
Conclusão

      A produção de soja no Brasil hoje é um grande fator para a sua economia, pelo fato de que o brasil é hoje o segundo maior produtor de soja do mundo.
     A soja é uma das principais fontes de proteina e óleo vegetal. A partir da soja podemos obter diversos produtos como por exemplo: óleo de soja, pão, bolo, farinha, pistachio, tofú, sopa, sorvete, molhos e também é muito utilizado na alimentação animal como fonte energética.

Bibliografia

Filho, A.J.S. Tecnologias de Produção de Soja Região Central do Brasil: Disponivel em:
acessado em 16 de Abril de 2011.
ALMEIDA, A.M.R.; AMORIM, L.; BERGAMIN FILHO, A.; TORRES, E.; FARIAS, J.R.B.; BENATO, L.C.; PINTO, M.C.; VALENTIN, N. Progress of soybean charcoal rot under tillage and no-tillage systems in Brazil. Fitopatologia Brasileira, v.28, p.131-135, 2003.

ALMEIDA, A.M.R.; VLIET, H.V.D.; KITAJIMA, E.W.; PIUGA, F.F.; MARIN, S.R.R.;VALENTIN, N.; BINNECK, E.; BENATO, L.C.; NEPOMUCENO, A.L.; OLIVEIRA, T.G. Vírus da necrose da haste: ocorrência no Brasil e controle. In: REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA DA REGIÃO CENTRAL DO BRASIL, 24., 2002, São Pedro. Ata... Londrina: Embrapa Soja, 2002. v.1, p.57-73.

BONATO, E.R.; BONATO, A.L.V. A soja no Brasil: história e estatística. Londrina: EMBRAPA-CNPSo, 1987. 61p. (EMBRAPA-CNPSo. Documentos, 21).

CALDWELL, B.E., (Ed.). Soybeans: improvement, production, and uses. Madison: ASA, 1973. 681p. (ASA. Agronomy, 16).
CAMPO, R.J.; HUNGRIA, M. Compatibilidade de uso de inoculantes e fungicidas no tratamento de sementes de soja. Londrina: Embrapa Soja, 2000. 32p. (Embrapa Soja. Circular Técnica, 26).

CAMPO, R.J.; HUNGRIA, M.; ALBINO, U.B.; MORAES, J.Z.; SIBALDELLI, R.N.R. Estudo da compatibilidade em aplicação conjunta nas sementes, entre fungicidas, micronutrientes e inoculantes, sobre a sobrevivência do Bradyrhizobium e a eficiência de fixação biológica do nitrogênio. In: EMBRAPA SOJA. Resultados de pesquisa da Embrapa Soja 1999. Londrina, 2000. p.238-248 (Embrapa Soja. Documentos, 142).

CAMPO, R.J.; HUNGRIA, M.; MORAES, J.Z.; SIBALDELLI, R.N.R. Compatibilidade de aplicação conjunta nas sementes, de fungicidas, micronutrientes e inoculantes, sobre a sobrevivência do Bradyrhizobium e a eficiência de fixação biológica do nitrogênio. In: HOFFMANN-CAMPO, C.B.; SARAIVA, O.F. (Org.). Resultados de pesquisa da Embrapa Soja 2000: microbiologia de solos. Londrina: Embrapa Soja, 2001. p.29-39 (Embrapa Soja. Documentos, 163).

CONAB. Indicadores da agropecuária. Brasília, 2002. Disponivel em : < http://www.conab.gov.br/ > Acesso em : 1 out. 2002.

DALL’AGNOL, A. The impact of soybeans on the Brazilian economy. AGJacto, n.2, p.16-17, aug. 2000.

DALL’AGNOL, A. Sem medo de competir. Agroanalysis, Rio de Janeiro, v.22, n.2, p.42-43, fev. 2002.

EMBRAPA SOJA. Recomendações técnicas para a cultura da soja no Paraná 1999/2000. Londrina, 1999. p.103, 109. (Embrapa Soja. Documentos, 131).

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Soja. Recomendações técnicas para a cultura da soja no Paraná 1993/94. Londrina: EMBRAPA-CNPSo : OCEPAR, 1993. p.28 (EMBRAPA-CNPSo. Documentos, 62; OCEPAR. Boletim Tecnico, 34).

ESTADOS UNIDOS. Department of Agriculture. Economic Research Service. Data products. Washington , 2002. Disponível em: < http://www.ers.usda.gov/data/sdp/view.asp?f=international/93002/ > Acesso em: 1 out. 2002.

FEHR, W.R.; CAVINESS, C.E. Stage of soybean development. Ames: Iowa State University, 1981. 12p. (Iowa Cooperative Extensive Service. Special Report, 80).

FRANÇA NETO, J. de B.; HENNING, A.A. DIACOM: diagnóstico completo da qualidade da semente de soja. Londrina: EMBRAPA-CNPSo, 1992. 22p. (EMBRAPA-CNPSo. Circular Técnica, 10).

FRANÇA NETO, J. de B.; KRZYZANOWSKI, F.C.; COSTA, N.P. da; HENNING, A.A. O teste de tetrazólio em sementes de soja. Londrina: EMBRAPA-CNPSo, 1998. 72p. (EMBRAPA-CNPSo. Documentos, 116).

GAZZIERO, D.L.P.; GUIMARÃES, S.C.; PEREIRA, F.A.R. Plantas daninhas: cuidado com a disseminação. Londrina: EMBRAPA-CNPSo, 1989. 1 folder.

HADLICH, E.; SCHIMIDT, S.H.; COSTA, N.P. da; MESQUITA, C. de M. Campanha de redução de perdas na colheita de soja: manual da colheita mecânica da soja. Curitiba: SEAB, 1997. 28p. (EMATER-PR. Informações Técnicas, 36).

HENNING, A.A. Patologia de sementes. Londrina: EMBRAPA-CNPSo, 1996. 43p. (EMBRAPA-CNPSo, Documentos, 90).

HUNGRIA, M.; CAMPO, R.J.; MENDES, I.C. Fixação biológica do nitrogênio na cultura da soja. Londrina: Embrapa Soja, 2001. 48p. (Embrapa Soja. Circular Técnica, 35; Embrapa Cerrados. Circular Técnica, 13)

KRYZYZANOWSKI, F.C.; FRANÇA-NETO, J.B.; HENNING, A.A.; CATTELAN, A.J.; COSTA, N.P. Cuidados na aquisição e na utilização da semente de soja. Londrina: Embrapa-CNPSo, 1996. 9p. (EMBRAPA-CNPSo. Comunicado Técnico, 55).

MASCARENHAS, H.A.A.; BULISANI, E.A.; MIRANDA, M.A.C. de; PEREIRA, J.C.V.N.A.; BRAGA, N.R. Deficiência de potássio em soja no Estado de São Paulo: melhor entendimento do problema e possíveis soluções. O Agronômico, Campinas, v.40, n.1, p.34-43, 1988.

MASCARENHAS, H.A.A.; TANAKA, R.T. Soja. In: RAIJ, B. van; CANTARELLA, H.; QUAGGIO, A.J.; FURLANI, A.M.C. (Ed.). Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. 2.ed. Campinas: IAC, 1996. p.202-203. (IAC. Boletim Técnico, 100).

MESQUITA, C. de M.; COSTA, N.P.; MANTOVANI, E.C.; ANDRADE, J.C.M. de A.; FRANÇA-NETO, J.B.; SIVA, J.G. da; FONSECA, J.R.;PORTUGAL, F.A.F.; GUIMARÃES SOBRINHO, J.B. Manual do produtor: como evitar desperdício nas colheitas de soja, do milho e do arroz. Londrina: EMBRAPA-CNPSo, 1998. 31p. (EMBRAPA-CNPSo, Documentos, 112).

MIYASAKA, S.; MEDINA, J.C. (Ed.). A soja no Brasil. Campinas: ITAL, 1981. 1062p.

RAIJ, B. van.; CANTARELLA, H.; QUAGGIO, J.A.; FURLANI, A.M.C. (Ed.). Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. 2.ed. Campinas: IAC, 1996. 285p. (IAC. Boletim Técnico, 100).

RAIJ, B. van; QUAGGIO, A.J.; CANTARELLA, H.; ABREU, C.A. Interpretação de análise de solo. In: RAIJ, B. van; CANTARELLA, H.; QUAGGIO, A.J.; FURLANI, A.M.C. (Ed.). Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. 2.ed. Campinas: IAC, 1996. p.8-13. (IAC. Boletim Técnico, 100).

SFREDO, G.J.; BORKERT, C.M.; OLIVEIRA, M.C.N. de; WOBETO, C. e ALMEIDA, J. Determinação da relação ótima entre Ca, Mg e K para a cultura da soja em solos do Paraná: estudo a campo In: EMBRAPA SOJA. Resultados de pesquisa de soja 1991/92. Londrina, 1999. pt.1, p.327-355. (Embrapa Soja. Documentos, 138).

SFREDO, G.J.; KLEPKER, D.; ORTIZ, F.R.;OLIVEIRA NETO, W. Níveis críticos de enxofre no solo para a soja, no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 29., 2003, Ribeirão Preto. Solo: alicerce dos sistemas de produção. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo: UNESP, 2003. 1 CD-ROM.

SOUSA, D.M.G. de. Calagem e adubação para cultura da soja nos cerrados. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1984. 9p. (EMBRAPA-CPAC. Comunicado Técnico, 38).

SOUSA, D.M.G. de; LOBATO, E. Correção do solo e adubação da cultura da soja. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1996. 30p. (EMBRAPA-CPAC. Circular Técnica, 33).

SOUSA, D.M.G. de; LOBATO, E.; REIN, T.A. Uso de gesso agrícola nos solos dos Cerrados. Planaltina, EMBRAPA-CPAC, 1996. 20p. (EMBRAPA-CPAC. Circular Técnica, 32).

YORINORI, J.T. Cancro da haste da soja: epidemiologia e controle. Londrina: EMBRAPA-CNPSo, 1996. 75p. (EMBRAPA-CNPSo. Circular Técnica, 14).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Postagens populares da Ultima Semana